28/05/2024 às 08h25min - Atualizada em 30/05/2024 às 00h00min

Quais consequências podem surgir com o Bullying sofrido na infância?

Psicóloga explica como o ato de violência pode trazer problemas futuros e ressalta quais são os sinais de alerta

Bendita Letra
Marta Bonfim, Psicóloga Clínica, Neuropsicóloga, Educadora Parental, Embaixadora da Proteção à Infância e Juventude Master ESEPAS.
Acervo Pessoal
 

O bullying na infância é um problema sério que pode trazer consequências significativas no futuro. Marta Bonfim, psicóloga clínica, especialista em educação parental e Embaixadora da Proteção à Infância e Juventude Master ESEPAS, alerta sobre os impactos profundos e duradouros que o bullying pode ter nas vítimas.

 

"As crianças e adolescentes muitas vezes não falam sobre o bullying por medo ou vergonha. Esse silêncio pode dificultar a identificação e a intervenção precoce, agravando os efeitos negativos sobre a saúde mental e emocional das vítimas.”  destaca Marta Bonfim.

 

O bullying é caracterizado por comportamentos repetidos de intimidação, humilhação e agressão, que podem ser físicos, verbais ou psicológicos. As consequências do bullying podem se manifestar de diversas formas ao longo da vida, incluindo baixa autoestima, depressão, ansiedade, dificuldades de relacionamento e desempenho acadêmico comprometido.

 

Sinais que podem servir de alerta

 

Marta Bonfim explica que existem sinais que podem ajudar os pais, educadores e cuidadores a identificar se uma criança está sofrendo bullying. "Fiquem de olho em mudanças de comportamento, como a repentina falta de vontade de ir à escola, queda nas notas e no rendimento escolar, sono e apetite alterados, choro frequente, isolamento social, apatia e dificuldade de concentração, atitudes impulsivas e agressivas em casa", explica a especialista.

 

Esses sinais podem indicar que algo está errado e que a criança precisa de ajuda. "A comunicação aberta e o apoio emocional são fundamentais. É importante que as crianças saibam que podem contar com adultos de confiança para falar sobre o que estão vivenciando".

 

Além disso, a conscientização e a educação sobre o bullying são essenciais para prevenir e combater esse problema. As escolas e as famílias devem trabalhar juntas para criar um ambiente seguro e acolhedor, onde o respeito e a empatia sejam valorizados. "Precisamos ensinar nossas crianças sobre a importância do respeito mútuo e da empatia desde cedo. Essas são habilidades essenciais para a vida e para a construção de uma sociedade mais justa e solidária", afirma Marta Bonfim.

 

A prevenção do bullying exige um esforço coletivo entre educadores, pais, cuidadores e a comunidade em geral. Psicólogos, pedagogos e outros especialistas podem oferecer o suporte necessário para ajudar a criança a superar essa situação e se recuperar emocionalmente.


 

Notícia distribuída pela saladanoticia.com.br. A Plataforma e Veículo não são responsáveis pelo conteúdo publicado, estes são assumidos pelo Autor(a):
MARIA JULIA HENRIQUES NASCIMENTO
[email protected]


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://portalg7.com.br/.