08/05/2024 às 15h36min - Atualizada em 09/05/2024 às 00h00min

ALEP aprova projeto de lei que estabelece diretrizes para tratamento de bebês com cardiopatias congênitas

O problema atinge cerca de 28 mil crianças por ano no Brasil; segundo o texto, assinado pelos deputados Ney Leprevost e Mabel Canto, o poder público deverá prestar assistência total aos diagnosticados

Divulgação/Ney
Nesta semana, a Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) discutiu e aprovou, em segunda votação, o Projeto de Lei n° 452/2023, de autoria do deputado Ney Leprevost (União Brasil), coordenador da Frente Parlamentar da Medicina, e da deputada Mabel Canto (PSDB), que estabelece Diretrizes Estaduais para Atenção Integral às Cardiopatias Congênitas no Sistema Único de Saúde (SUS). Agora, o texto segue para análise do governador Ratinho Jr. 

A cardiopatia congênita ocorre devido a uma alteração da estrutura cardíaca durante o desenvolvimento embrionário. Mesmo sendo um problema comum e de fácil diagnóstico, é uma das principais causas de morte relacionadas a malformações congênitas. Atualmente, são aproximadamente 12 milhões de pessoas vivendo com cardiopatia congênita em todo o mundo. No Brasil, são 28,7 mil crianças que nascem com cardiopatia congênita todos os anos. Ou seja, 1 criança com cardiopatia congênita a cada 100 nascidas vivas.

De acordo com o texto aprovado pela ALEP, o Poder Público deverá prestar a assistência necessária aos bebês diagnosticados com cardiopatias congênitas, permitindo o acesso a tratamentos especiais desde a gestação do feto, oferecendo suporte para o parto, de acordo com os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS). “Identificar a cardiopatia de maneira precoce faz toda a diferença para o êxito do tratamento e prevenção de sequelas, fazendo com que o bebê tenha um desenvolvimento saudável”, destaca Ney Leprevost.

Teste do Coraçãozinho

A nova lei representa o maior avanço no tratamento das cardiopatias congênitas desde a aprovação do Projeto de Lei que instituiu o “Teste do Coraçãozinho” em recém-nascidos. O texto, de 2011, também apresentado por Ney Leprevost, tornou obrigatória a realização do exame de oximetria de pulso em bebês em maternidades e hospitais de todo Paraná.

“Por meio do ‘Teste do Coraçãozinho’, realizado nas primeiras 48 horas após o nascimento, os médicos podem medir a concentração de oxigênio e verificar a circulação de sangue no organismo do bebê. O resultado é considerado normal se o nível de oxigenação for maior ou igual a 95%. Se o resultado for menor, o bebê deverá ser submetido a exames complementares e precisará de acompanhamento cardiológico”, destaca Leprevost.

“Agora, com a aprovação das Diretrizes Estaduais para Atenção Integral às Cardiopatias Congênitas, damos um passo fundamental para garantir a eficiência na detecção e no tratamento de doenças cardíacas, possibilitando tratamentos imediatos e muito mais assertivos aos recém-nascidos”, complementa o parlamentar.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://portalg7.com.br/.