07/05/2024 às 11h44min - Atualizada em 07/05/2024 às 11h44min

Asma: tratamento controla doença que atinge 20% dos adolescentes no Brasil

No Dia Mundial da Asma, médico alerta para gatilhos que podem desencadear crises

- Estado de Minas
Apenas 12,3% dos asmáticos estão com a doença bem controlada crédito: Freepik

O Dia Mundial da Asma, lembrado na primeira terça-feira do mês de maio (7/5), é uma data de conscientização mundial sobre o controle da doença, prevenção de crises e mortes. A campanha, proposta pela Iniciativa Global pela Asma (GINA), é importante, principalmente no Brasil, onde a prevalência de asma é de 20% entre os adolescentes. E tem o objetivo de alertar para o reconhecimento da doença e seus riscos, além de permitir à população procurar o cuidado de saúde antecipado antes de repercussões ruins para a saúde. De acordo com Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, apenas 12,3% dos asmáticos estão com a doença bem controlada.

A asma é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas que causa falta de ar, chiado na respiração, sensação de aperto no peito e tosse. Segundo o médico pneumologista, coordenador do Serviço de Pneumologia da Rede Mater Dei de Saúde em Belo Horizonte, Bruno Horta Andrade, os sintomas do paciente asmático, são, geralmente, desencadeados por contato com alérgenos, como poeira, mofo, produtos químicos, alguns medicamentos, fumaça de cigarro e animais, como cães e gatos. “Há outros gatilhos que podem desencadear uma crise, como o estresse, infecções respiratórias, gripe, infecção viral ou frio”, enumera.

Bruno Horta assinala ainda que a asma é uma doença da humanidade de muitos anos e seu conceito e seu cuidado médico evoluíram enormemente no último século. “A doença hoje já não é mais reconhecida apenas pelo desconforto do seu sintoma, mas pela repercussão nos momentos de crise e no longo prazo. O objetivo do tratamento é que o paciente leve uma vida normal apesar da doença”, observa.

Na maior parte dos casos, de acordo com o especialista, a doença é controlada por meio de um plano de ação definido pelo médico juntamente com o paciente, e uso de medicamentos preventivos, como os corticoides inalatórios, isolados ou associados a broncodilatadores. “Nascemos com a predisposição para a asma, e geralmente ela se repete numa mesma família, mas a doença também pode se desenvolver em outras fases da vida, como na adulta, estimulada por fatores do ambiente (extrínsecos)”, acrescenta o médico.

Para evitar desenvolver a doença tardiamente ou as crises, quem já tem o problema deve manter seu tratamento de forma contínua e com visitas regulares ao médico de sua confiança. Para isso, é importante evitar o contato com alérgenos, se prevenindo de infecções e se mantendo longe dos gatilhos. “Todas essas são ações de grande importância que ajudam na prevenção das crises”, aponta o pneumologista.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://portalg7.com.br/.